terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Oficina Multiplicando Leminski - 20, 21 e 22/01


Programa pro feriado?

É com muita alegria que os convido para uma tarde de Experimentação Poética à Máquina de Escrever dialogando com a obra do increible e Múltiplo Leminski em cartaz na CAIXA Cultural Rio de Janeiro !

Venha sentir essa exposição e aventurar-se na escrita !

Oficina Multiplicando Leminski
Dias 20, 21 e 22 de janeiro de 2016
Das 15h às 18h


Para todas as idades! Tragam suas crianças! É grátis, só chegar!

“Isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além”

foto leminski: nani goes
foto 2: carol spork para misturebinha
link da exposição: https://www.facebook.com/events/1660650437528256/



quinta-feira, 9 de julho de 2015

Pôster - Las Virgo

Primeiro pôster / postal do projeto Las Virgo com a Yuli Anastassakis querida.


encomendas via facebook: Las Virgo


Las Virgo é o encontro entre duas amigas virginianas que criam cartazes com versos e imagens originais buscando comunicar, brindar, pôr no colo, abraçar, lembrar, saudar e afagar. Palavras de Aline Miranda e desenhos de Yuli Anastassakis. Esse é o primeiro de muitos cartazes. Um anúncio, um aviso: "Não dê desculpas. Dê motivos."Emoticono heart

Mulheres à beira de um ataque de beijos




terça-feira, 17 de março de 2015

16/03/15

engraçado
a virginianidade
e sua mania de

julgar
organizar
catalogar

contradizendo
a aquarianidade lunar
e sua vontade de

misturar
embolar
libertar

fotos dentro de caixas
corpos em camas
roupas na máquina de lavar

17/03/15

uma festa em meu coração
um mergulho na escuridão
feito faca
fagulha
rojão
meu riso é pranto
meu choro é gozo
meu canto é noite de são joão

sexta-feira, 13 de março de 2015

cheguei a tempo de te ver acordar

gostava de dobrar a perna
ficar um pouco de lado e dobrar a perna
levantada
perna direita
coxa
em noventa graus
dormia assim com o travesseiro
qualquer outro pano enrolado
edredom
ou o corpo dela

pode deixar a perna, ela me disse 
tentei ser suave 
mas o corpo pesa 
calor 
aqueles corpos tranquilos 
eu suava 
mas mantinha 
pelo contato 
pelo toque 
pela suavidade daquele momento 
tão macio 
meu corpo suava 
eu sentia calor 
mas queria permanecer encostada 
minha coxa na barriga dela


a cavalo

um homem passa na rua
estalando a sandália no calcanhar
fecho os olhos
e imagino da janela
da sacada
um homem a cavalo
que firme e suave
passa.


[foto internet]

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

é preciso tartarugar?

é que eu sinto uma urgência
como se eu fosse morrer muito jovem
trinta anos se passaram
eu ainda estou aqui


carinharnaval

carinho
ding-dong
de quem é essa mão
fios soltos
desprender-se
desatar para enlaçar
tá todo mundo bem
interrogações que afirmam
que horas devem ser
fome de coxinha
pintar a unha assim
pequenininha
pintar as unhas assim
l a r g a s
os olhos são a janela da alma
dizem
confirmamos sorrindo
fios soltos
pelo chão
colchão
mão
uma purpurina presa ao peito
afinal é carnaval
despir-se em máscaras
em roupas
desnudar-se para encontrar
expandir-se dentro do peito
qual era mesmo essa música que tocava
há tanta vida lá fora
aqui dentro sempre como uma onda no mar




Ah, se já perdemos a noção da hora, se juntos já jogamos tudo fora, me conta agora como hei de partir. 
Se nós, nas travessuras das noites eternas já confundimos tanto as nossas pernas, diz com que pernas eu devo seguir. 
Como, se te amamos feito dois pagãos, teus seios inda estão nas minhas mãos, me explica com que cara eu vou sair.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

quando a noite faz seu ninho

quando a noite faz seu ninho
serena ela surge
penetra lençóis
sem alarde
invade
saúda
entre lábios
arde

saudade.

trançando      

ouvindo sou seu sabiá  

Arquivo do blog