segunda-feira, 19 de março de 2012

¿Cómo estás, Juanita?


Pajarito de canto dulce, mariposita roja, mariquita sin alas.
¿Cómo está todo por ahí?
También llueve en las almas?
Acá el día amaneció ceniza, xôxo xôxo...
(Xôxo pode ser uma coisa pequena, também designa uma pessoa pequena, criança sub-nutrida e de baixa estatura, fruta que não se desenvolveu totalmente mas ficou madura, como cajús , abacaxi , etc.
ou Beijo estalado; beijoca.)
Decerto o dia não despertou com uma beijoca, menos ainda sou fruta. Dizem que tenho cara de caju. E você, que fruta seria?
Nesses momentos de baixas temperaturas internas, nada como um bom livro, café, um papo com amigo, uma criança, um passarinho. Conversei com uma amiga, que está longe e sempre perto, Pepê, sempre me lembro do edredon cor de chiclete que dividíamos na casa verde do grande coração. Lembro também quando atravessando a poça, visitamos o centro noturno do Rio, boteco indicado pelo jornal, entre ruas estreitas, um achado de portuga (se não falha a memória) simpático e oferecedor de boas pingas! Pois ela, saiu de Sampa, voltou para a casa dos pais por trabalho e agora querem que ela volte à capital. Está se sentindo uma hippie urbana, em busca de um lugar que ama, que se sente ela, e que é mesmo a sua cara. A dela. Disse-lhe que é bom romper com a comodidade sempre que possível para viver em um ambiente que trará mais conhecimento, alegria e..pq não..amor! Mas acabo de me lembrar que não existe amor em SP...
E cá na maravilhosa, existe, Juanita?
Y tu bueno corazón, y tus alumnitos, tus clases, ¿como están?
Tan gran persona eres, mismo tan pequetita...
Juanita, ¡tu estrella brilla!
Amiga león del sol, nos ilumine com seus raios esta manhã!

Besos fríos,
Aline.

Um comentário:

Yan disse...

Tão lindo...

Arquivo do blog